Return to site

São Francisco do Sul (SC) - De volta à vida

 

Reduto de golfinhos e meros, a Baía da Babitonga pode sediar a primeira Reserva de Fauna do Brasil. Medida visa enfrentar a poluição e preservar um valioso criadouro de peixes

 

Ao pé de montanhas cobertas de Mata Atlântica no litoral norte de Santa Catarina, o pescador João Gonçalves Batista, o Jango, de 57 anos, aponta para o mar à sua frente e diz: “É preciso fazer alguma coisa, porque tudo aqui está se acabando.” Jango lembra quando capturava robalos-flechas e parabijus gigantes na Baía da Babitonga, com suas 24 ilhas e vastos manguezais, hoje prestes a se tornar a primeira Reserva de Fauna do Brasil. Esse tipo de área de proteção ecológica alia o uso econômico à conservação das espécies marinhas que mantêm o sustento dos pescadores e suas famílias. Será um alento para Jango e outros pescadores da Vila da Glória, município de São Francisco do Sul. A produção de camarão caiu 30% em uma década. “Em vez de caranhas de 40 quilos, hoje encontramos garrafas plásticas e até sofás velhos boiando no mar”, lamenta o pescador.

Bisneto de açorianos que imigraram do arquipélago na costa da África no século 19, Jango lembra que as florestas que ainda emolduram a Baía da Babitonga foram quase dizimadas pelo corte ilegal de palmito e madeira. Mas depois, em função de um maior controle, se recuperaram. “Hoje até tucanos freqüentam o quintal de casa”, conta. Para ele, salvação semelhante poderia ocorrer no ambiente marinho, hoje castigado pela poluição e por diversas alterações provocadas pelas indústrias na região.

O temor das restrições

Apesar das palavras do pescador, a aprovação da nova reserva é motivo de polêmica. “Envolve conflitos e diferentes interesses”, afirma Ana Maria Torres, do Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul, órgão do Ibama em Santa Catarina. De um lado estão aqueles que temem prejuízos econômicos com as restrições de uso. De outro, situam-se os órgãos ambientais e os defensores de maior rigor para proteger os ecossistemas e a fauna. Mas, após as audiências públicas realizadas em 2006 e 2007 nos seis municípios do entorno da baía, o projeto está na reta final para ser assinado pelo presidente da República.

Segundo Ana Maria, a criação da reserva é uma medida urgente, porque a baía está secando. A degradação é antiga. Começou na década de 30, quando foi aterrado o Canal do Linguado, principal via de escoamento de águas para a Babitonga. A obra teve o objetivo de permitir o transporte ferroviário de mercadorias entre o litoral e o continente, mas alterou drasticamente o ambiente costeiro. Somado a isso, o crescimento urbano de Joinville, maior cidade e pólo industrial da região, hoje com 600 mil habitantes, espalhou poluição. Hoje apenas 13% dos esgotos das residências são tratados. Os dejetos industriais também são levados pelos rios até a baía. Há locais onde a contaminação por arsênio e outros metais pesados supera em 50% o limite aceitável.

“Apesar da maior preocupação das indústrias, há muitas falhas de controle”, critica a bióloga Marta Cremer, da Universidade da Região de Joinville (Univille). A poluição é apenas uma parte do problema. A dragagem para explorar areia no fundo da baía remove larvas de organismos marinhos e interfere no equilíbrio ecológico. “Para completar, peixes e crustáceos são capturados em quantidades exageradas, o que é agravado pelo aumento de turistas que praticam a pesca amadora”, diz a pesquisadora.

Golfinhos surdos

Desde os tempos da colonização, quando era utilizada para a exportação de madeira, ouro e erva-mate, a baía de Babitonga é considerada uma das principais zonas portuárias do país. Além do antigo porto de São Francisco do Sul, situado próximo à saída para o oceano, novas instalações portuárias estão projetadas para o local. O porto de Itapoá, destinado à exportação de contêineres, aguarda licença ambiental para entrar em operação em 2008. Para Marta Cremer, “a criação da reserva de fauna vai ajudar a disciplinar as atividades”.

Caso contrário, os riscos aumentam. O intenso tráfego marítimo suja as águas da baía com o lastro dos navios e traz organismos invasores que competem por alimento e abrigo com as espécies nativas. O ruído das embarcações afasta os animais marinhos de maior porte. Golfinhos, que antes pulavam à vista de todos, já não chegam tão perto da costa. “Muitos estão ficando surdos”, revela a bióloga, que orienta pesquisas sobre a audição desses animais na universidade.

Ao abrigar 75% dos manguezais catarinenses, a Baía da Babitonga é um criadouro natural de organismos marinhos, responsável pela maior parte da produção pesqueira do estado. Existem ali mais de 100 espécies de peixes. São a base da alimentação de dezenas de aves aquáticas, entre as quais nove migratórias – como a águia-pescadora e a batuíra-de-bando - vindas periodicamente do Hemisfério Norte para se alimentar. Esse cenário é refúgio de caranguejos-uçás, ameaçados pela captura descontrolada. E também das toninhas, antes comuns naquela paisagem, e hoje restritas a apenas 26 dos 160 quilômetros quadrados da baía. Nas zonas mais afastadas, próximas às ilhas oceânicas, ainda há meros – o maior peixe brasileiro e um sobrevivente dos arpões dos mergulhadores.

Com menos peixes no mar, a criação de mariscos e outras iguarias em cativeiro passou a ser a alternativa. “Precisamos de água limpa para manter o negócio”, afirma o maricultor Helias Correia, dono de viveiros onde são produzidas mais de 100 mil ostras por ano, parte delas consumida no restaurante dirigido pela mulher na Vila da Glória.

“Antes batíamos a palha de coqueiro na beira do mar e os camarões pulavam fora da água”, diz o pescador Sandro Vieira. “Boa parte dos peixes é retirada por pessoas que não precisam deles para sobreviver. Estamos preservando a baía para o proveito de quem?”

Baía histórica

Na Praia Bonita, bem próximo à casa de Sandro, ruínas de uma construção de pedra são vestígios do chamado Falanstério do Saí - missão francesa instalada em 1842 pelo médico Benoit Jules Mure, com o objetivo de aplicar os preceitos da homeopatia com remédios a base de plantas da Mata Atlântica. A comunidade não prosperou, pois seus moradores não se adaptaram à vida dura na floresta.

Matas e restingas do entorno da baía preservam sambaquis, sítios arqueológicos que reúnem ferramentas líticas e restos de conchas e alimentos de grupos primitivos que ali viveram há mais de 3 mil anos. Nos séculos 15 e 16, os índios carijós passaram a ocupar a região, foco de constantes incursões francesas. Conta-se que longas trilhas, parte delas ainda hoje existentes, eram percorridas pelos indígenas, sob o comando dos jesuítas, para transportar prata entre os Andes e o Atlântico.

A história mostra que a vida ao redor da Baía da Babitonga sempre foi ligada ao mar. “É preciso valorizar seus recursos e preservá-los”, explica Leonel Pavanello, professor de Geografia da Escola Familiar do Mar, um modelo pedagógico francês, hoje aplicado em dezenas de países. Após uma semana de aulas na escola, o aluno permanece 15 dias em casa e no trabalho para colocar em prática o que aprendeu. Metade dos atuais 48 alunos são filhos de pescadores. “Alguns trabalham na atracação de navios no porto, outros guiam turistas na pesca amadora ou ganham a vida nas oficinas de motores náuticos”, conta Pavanello. “A maioria já não quer mais pescar.”

Instalado no Centro Histórico de São Francisco do Sul, o Museu do Mar conta a história da navegação, mostra o modo de vida dos caiçaras e reúne um rico acervo de embarcações. O espaço é freqüentado por turistas e jovens das escolas públicas da cidade. Em um dos galpões do museu, o carpinteiro Raul Geraldo da Rocha, 80 anos, não sente o cansaço da idade. Ele confeccionava canoas de tapiruvu, madeira nobre da Mata Atlântica. Conta que já fez mais de 500 delas, no tempo em que a pesca e a madeira eram fartas e podia se cortar árvores para esse fim. Hoje, Raul restaura barcos antigos para manter vivo o ofício que aprendeu quando criança. “É a forma que tenho de continuar sonhando”, conta.

 

Box 1

O senhor das pedras

 

Conhecido como “senhor das pedras”, o mero é uma espécie de grande porte, da família da garoupa e do badejo, que pode viver mais de 40 anos e pesar 400 quilos, atingindo 12 metros de tamanho. Dócil e pouco ágil, o animal é vítima da captura irracional e está na lista vermelha das espécies criticamente em perigo de extinção, elaborada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Para conhecer os seus hábitos reprodutivos, e assim ajudar a salvar o animal, a equipe do Projeto Meros do Brasil, apoiada pela Petrobrás, aproveitou o final de 2007 para mergulhar em pontos estratégicos da Baía de Babitonga, um dos principais refúgios do peixe em águas brasileiras. O estudo é pioneiro no país. Nesse período do ano, os meros se agregam em numerosos grupos para acasalar e se tornam alvos fáceis para os caçadores. No Brasil, a captura dos meros está proibida até 2012.


 

Box 2

A beleza de uma cidade

 

São Francisco do Sul, na Baía de Babitonga, é considerada a terceira mais antiga do Brasil, atrás apenas da baiana Porto Seguro e da paulista São Vicente. Foi um pólo econômico e cultural importante do país durante o século 19. Sobrados, igrejas e antigos armazéns portuários que testemunham o esplendor da época estão sendo restaurados pelo Programa Monumenta, mantido pelo governo federal com verba do Banco Interamericano de Desenvolvimento. As obras incluíram o centenário Clube 24 de Janeiro, inaugurado em 1892, palco de bailes e reuniões políticas da época. À frente do edifício, as ruínas do antigo porto foram transformadas em terminal marítimo de passageiros. A orla, pontilhada de casarios históricos, foi urbanizada e iluminada, dando vida nova à cidade, ainda hoje sustentada pela atividade portuária. Com a restauração do seu Patrimônio Histórico, a cidade recebe mais visitantes, abrindo alternativas econômicas para a população que dependia da pesca. Manter o ambiente marinho saudável passou a ser indispensável para essa nova fonte de renda.


 

Publicado originalmente na revista Horizonte Geográfico

Ao pé de montanhas cobertas de Mata Atlântica no litoral norte de Santa Catarina, o pescador João Gonçalves Batista, o Jango, de 57 anos, aponta para o mar à sua frente e diz: “É preciso fazer alguma coisa, porque tudo aqui está se acabando.” Jango lembra quando capturava robalos-flechas e parabijus gigantes na Baía da Babitonga, com suas 24 ilhas e vastos manguezais, hoje prestes a se tornar a primeira Reserva de Fauna do Brasil. Esse tipo de área de proteção ecológica alia o uso econômico à conservação das espécies marinhas que mantêm o sustento dos pescadores e suas famílias. Será um alento para Jango e outros pescadores da Vila da Glória, município de São Francisco do Sul. A produção de camarão caiu 30% em uma década. “Em vez de caranhas de 40 quilos, hoje encontramos garrafas plásticas e até sofás velhos boiando no mar”, lamenta o pescador.

Bisneto de açorianos que imigraram do arquipélago na costa da África no século 19, Jango lembra que as florestas que ainda emolduram a Baía da Babitonga foram quase dizimadas pelo corte ilegal de palmito e madeira. Mas depois, em função de um maior controle, se recuperaram. “Hoje até tucanos freqüentam o quintal de casa”, conta. Para ele, salvação semelhante poderia ocorrer no ambiente marinho, hoje castigado pela poluição e por diversas alterações provocadas pelas indústrias na região.

O temor das restrições

Apesar das palavras do pescador, a aprovação da nova reserva é motivo de polêmica. “Envolve conflitos e diferentes interesses”, afirma Ana Maria Torres, do Centro de Pesquisa e Gestão de Recursos Pesqueiros do Litoral Sudeste e Sul, órgão do Ibama em Santa Catarina. De um lado estão aqueles que temem prejuízos econômicos com as restrições de uso. De outro, situam-se os órgãos ambientais e os defensores de maior rigor para proteger os ecossistemas e a fauna. Mas, após as audiências públicas realizadas em 2006 e 2007 nos seis municípios do entorno da baía, o projeto está na reta final para ser assinado pelo presidente da República.

Segundo Ana Maria, a criação da reserva é uma medida urgente, porque a baía está secando. A degradação é antiga. Começou na década de 30, quando foi aterrado o Canal do Linguado, principal via de escoamento de águas para a Babitonga. A obra teve o objetivo de permitir o transporte ferroviário de mercadorias entre o litoral e o continente, mas alterou drasticamente o ambiente costeiro. Somado a isso, o crescimento urbano de Joinville, maior cidade e pólo industrial da região, hoje com 600 mil habitantes, espalhou poluição. Hoje apenas 13% dos esgotos das residências são tratados. Os dejetos industriais também são levados pelos rios até a baía. Há locais onde a contaminação por arsênio e outros metais pesados supera em 50% o limite aceitável.

“Apesar da maior preocupação das indústrias, há muitas falhas de controle”, critica a bióloga Marta Cremer, da Universidade da Região de Joinville (Univille). A poluição é apenas uma parte do problema. A dragagem para explorar areia no fundo da baía remove larvas de organismos marinhos e interfere no equilíbrio ecológico. “Para completar, peixes e crustáceos são capturados em quantidades exageradas, o que é agravado pelo aumento de turistas que praticam a pesca amadora”, diz a pesquisadora.

Golfinhos surdos

Desde os tempos da colonização, quando era utilizada para a exportação de madeira, ouro e erva-mate, a baía de Babitonga é considerada uma das principais zonas portuárias do país. Além do antigo porto de São Francisco do Sul, situado próximo à saída para o oceano, novas instalações portuárias estão projetadas para o local. O porto de Itapoá, destinado à exportação de contêineres, aguarda licença ambiental para entrar em operação em 2008. Para Marta Cremer, “a criação da reserva de fauna vai ajudar a disciplinar as atividades”.

Caso contrário, os riscos aumentam. O intenso tráfego marítimo suja as águas da baía com o lastro dos navios e traz organismos invasores que competem por alimento e abrigo com as espécies nativas. O ruído das embarcações afasta os animais marinhos de maior porte. Golfinhos, que antes pulavam à vista de todos, já não chegam tão perto da costa. “Muitos estão ficando surdos”, revela a bióloga, que orienta pesquisas sobre a audição desses animais na universidade.

Ao abrigar 75% dos manguezais catarinenses, a Baía da Babitonga é um criadouro natural de organismos marinhos, responsável pela maior parte da produção pesqueira do estado. Existem ali mais de 100 espécies de peixes. São a base da alimentação de dezenas de aves aquáticas, entre as quais nove migratórias – como a águia-pescadora e a batuíra-de-bando - vindas periodicamente do Hemisfério Norte para se alimentar. Esse cenário é refúgio de caranguejos-uçás, ameaçados pela captura descontrolada. E também das toninhas, antes comuns naquela paisagem, e hoje restritas a apenas 26 dos 160 quilômetros quadrados da baía. Nas zonas mais afastadas, próximas às ilhas oceânicas, ainda há meros – o maior peixe brasileiro e um sobrevivente dos arpões dos mergulhadores.

Com menos peixes no mar, a criação de mariscos e outras iguarias em cativeiro passou a ser a alternativa. “Precisamos de água limpa para manter o negócio”, afirma o maricultor Helias Correia, dono de viveiros onde são produzidas mais de 100 mil ostras por ano, parte delas consumida no restaurante dirigido pela mulher na Vila da Glória.

“Antes batíamos a palha de coqueiro na beira do mar e os camarões pulavam fora da água”, diz o pescador Sandro Vieira. “Boa parte dos peixes é retirada por pessoas que não precisam deles para sobreviver. Estamos preservando a baía para o proveito de quem?”

Baía histórica

Na Praia Bonita, bem próximo à casa de Sandro, ruínas de uma construção de pedra são vestígios do chamado Falanstério do Saí - missão francesa instalada em 1842 pelo médico Benoit Jules Mure, com o objetivo de aplicar os preceitos da homeopatia com remédios a base de plantas da Mata Atlântica. A comunidade não prosperou, pois seus moradores não se adaptaram à vida dura na floresta.

Matas e restingas do entorno da baía preservam sambaquis, sítios arqueológicos que reúnem ferramentas líticas e restos de conchas e alimentos de grupos primitivos que ali viveram há mais de 3 mil anos. Nos séculos 15 e 16, os índios carijós passaram a ocupar a região, foco de constantes incursões francesas. Conta-se que longas trilhas, parte delas ainda hoje existentes, eram percorridas pelos indígenas, sob o comando dos jesuítas, para transportar prata entre os Andes e o Atlântico.

A história mostra que a vida ao redor da Baía da Babitonga sempre foi ligada ao mar. “É preciso valorizar seus recursos e preservá-los”, explica Leonel Pavanello, professor de Geografia da Escola Familiar do Mar, um modelo pedagógico francês, hoje aplicado em dezenas de países. Após uma semana de aulas na escola, o aluno permanece 15 dias em casa e no trabalho para colocar em prática o que aprendeu. Metade dos atuais 48 alunos são filhos de pescadores. “Alguns trabalham na atracação de navios no porto, outros guiam turistas na pesca amadora ou ganham a vida nas oficinas de motores náuticos”, conta Pavanello. “A maioria já não quer mais pescar.”

Instalado no Centro Histórico de São Francisco do Sul, o Museu do Mar conta a história da navegação, mostra o modo de vida dos caiçaras e reúne um rico acervo de embarcações. O espaço é freqüentado por turistas e jovens das escolas públicas da cidade. Em um dos galpões do museu, o carpinteiro Raul Geraldo da Rocha, 80 anos, não sente o cansaço da idade. Ele confeccionava canoas de tapiruvu, madeira nobre da Mata Atlântica. Conta que já fez mais de 500 delas, no tempo em que a pesca e a madeira eram fartas e podia se cortar árvores para esse fim. Hoje, Raul restaura barcos antigos para manter vivo o ofício que aprendeu quando criança. “É a forma que tenho de continuar sonhando”, conta.

Box 1

O senhor das pedras

All Posts
×

Almost done…

We just sent you an email. Please click the link in the email to confirm your subscription!

OKSubscriptions powered by Strikingly